Apresentação

Por iniciativa de estudantes africanos na Bahia e em parceria com os estudantes afro-brasileiros, a Semana da África vem sendo realizada em Salvador desde maio de 2006. O evento vem sendo acolhido, a cada edição, pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (PROAE), Centro Cultural Casa de Angola na Bahia, Cepaia, Fundação Pedro Calmon, Instituto Cultural Steve Biko, Secretaria Municipal de Reparação de Salvador, Secretaria da Educação e Cultura do Estado da Bahia.
A oportunidade de promover um evento dessa natureza decorre da intensa vontade de estabelecer trocas científicas entre estudantes, professores e intelectuais africanos e brasileiros. O interesse em constituir um fórum acadêmico e cultural com uma periodicidade anual, voltado para a promoção de debates acerca de uma multiplicidade de temas referentes às questões africanas e da diáspora é o ponto fundador da Semana da África, que vem se consolidando como um espaço propiciador de uma rica reflexão sobre as especificidades culturais, demandas econômicas e políticas dos diversos países africanos na contemporaneidade, que permite questionar o olhar homogêneo sob o qual o continente africano é comumente visto, propondo um diálogo mais equitativo entre essas duas margens do Atlântico. 
Em sua primeira edição, os debates foram centrados na representação da África no imaginário social brasileiro, investindo na necessidade de problematizar a circulação de estereótipos incapacitantes e atentar para suas implicações políticas e sociais. A segunda edição debruçou-se sobre o problema da unidade africana, incluindo a discussão sobre a atuação da União Africana (UA) nas questões geopolíticas contemporâneas do continente. Em sua terceira edição, a Semana da África teve como tema as dinâmicas sociais, políticas e culturais no continente na contemporaneidade, com a preocupação de ressaltar e analisar, de forma crítica, a diversidade dos povos africanos no passado e no presente. A quarta Semana da África abordou o processo das independências dos países africanos, após séculos de escravidão e colonialismo. Em 2011, a quinta edição do evento debruçou-se sobre a importância das matrizes civilizatórias africanas para a constituição da cultura baiana e de outros pontos privilegiados da diáspora. Na sua sexta edição, a Semana da África propôs o debate sobre a importância da África e os novos caminhos da ciência. Na sétima edição, a Semana da África fez uma abordagem sobre as produções audiovisuais africanas, em especial o cinema, bem como as diversas apropriações das imagens das realidades africanas na diáspora, e especialmente no Brasil, considerando a importância da produção audiovisual africana sobre a África no ensino da história, das culturas africanas e afro-brasileiras nas escolas e universidades brasileiras, no contexto da primeira década de vigência da Lei nº 10.639/2003.
Nesta oitava edição, a Semana da África pretende discutir os desafios e perspectivas do continente africano para o futuro, levando em conta as especificidades culturais e políticas, reforçar as trocas acadêmicas, preservar o legado e a memória sociocultural dos diversos países africanos são alguns dos objetivos do evento que é resultado da iniciativa de estudantes africanos e afro-brasileiros.

Objetivo geral
Promover diálogos entre acadêmicos, educadores, cientistas sociais, antropólogos, economistas, dramaturgos e literatos, brasileiros e africanos, sobre os desafios e expectativas para o futuro do continente africano. 

Objetivos específicos
·         Promover o debate sobre o que fazer, para que a África possa seguramente construir seu desenvolvimento social e econômico;
·         Disseminar análises críticas e estimular o debate sobre as relações África-Brasil-África no âmbito da produção acadêmica, das políticas de circulação de bens simbólicos, da estética e das relações identitárias;


·         Discutir sobre a apropriação da literatura, cinema, e de outras formas de produção de conhecimento sobre a África por parte do público brasileiro, em especial por parte de educadores interessados em integrar em sua prática pedagógica o ensino da cultura e da história africanas e afro-brasileiras, na perspectiva da implementação da Lei nº 10.639/2003, que trata da obrigatoriedade do ensino da cultura e da história negra, afrodescendente e africanas no Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário